TOP 100 das Melhores Músicas


"Stairway to Heaven" é uma canção da banda britânica de rock Led Zeppelin, composta pelo guitarrista Jimmy Page e pelo vocalista Robert Plant para o quarto álbum de estúdio da banda, Led Zeppelin IV, de 1971. Muitas vezes, é considerada uma das maiores canções de rock de todos os tempos.

A música percorre uma duração de oito minutos e dois segundos, e é composta por varias seções que, aumentam o volume e o ritmo da canção. A música começa com um dedilhado de violão baseado na música popular, e é acompanhado por flautas antes da introdução da instrumentação elétrica. A seção final é uma elevada secção de ritmo hard rock realçada por um solo de guitarra intrincada por Page.

"Stairway to Heaven" é a canção mais requisitada nas estacões de rádio FM dos Estados Unidos, apesar de nunca ter sido lançada com single por lá, e em novembro de 2007, através de vendas por download para promover o lançamento do disco Mothership, a canção alcançou a 37ª posição nas paradas da UK Singles Chart. A faixa foi classificada em 3º lugar na lista das "100 Melhores Canções de Rock" feita pela VH1 em 2002, e ficou na 31ª posição na lista das "500 Melhores Canções de Todos os Tempos" pela revista Rolling Stone.

Assista o Vídeo no You Tube: Stairway to Heaven


"The End" é uma canção da banda norte-americana The Doors pertencente ao seu álbum homônimo. Foi criada ao longo de vários meses de atuações no Whisky a Go Go em Los Angeles. A banda tocaria esta música na sua última atuação. Foi lançada pela primeira vez em Janeiro de 1967. "The End" ficou colocada em 328º na lista das 500 melhores canções de todos os tempos da Revista Rolling Stone. Por sua atmosfera sombria e misteriosa, a canção antecipou o nascimento do Jazz Fusion.

A parte falada da canção inclui as linhas "Pai?/ Sim, filho?/ Eu quero matar-te/ Mãe? Eu quero…FODER-TE", (com essa última linha falada quase toda inaudível). Isto também pode ser considerado uma referência à obra de Sófocles, Édipo Rei, uma produção a qual Jim Morrison trabalhou por um curto período de tempo na Universidade do Estado da Flórida.

Morrison disse em 1969, "Toda a vez que escuto essa canção, significa algo mais para mim. Começa como uma simples canção de despedida provavelmente para uma garota, mas eu a vejo como uma despedida para um tipo de infância. Eu sinceramente não sei. Eu penso que é suficientemente complexo e universal na sua imaginação que pode ser quase qualquer coisa que você queira". Ray Manzarek, o tecladista da banda The Doors diz "Jim estava dando voz aos moldes rock para a obra de Sófocles, Édipo Rei, em tempos de largas discussões sobre tendências Freudianas na psicologia. Ele não disse que queria fazer aquilo com seus próprios pais. Ele estava encenando um trecho da dramaturgia grega. Isso era teatro!".

Jim pode ter sido influenciado pelos conceitos de individualismo e arquétipos de Carl Jung, e certamente influenciado pelo conceito de Friedrich Nietzsche de ir além dos limites dos tipos de seres humanos que existiram por tanto tempo, adorando a vitalidade e a vida de Dionísio ("A mãe") enquanto rejeitava a sistemática e as tradições de Apolo ("O pai").

Assista o Vídeo no You Tube: The End


"Bohemian Rhapsody" é uma canção composta em 1975 por Freddie Mercury, integrante da banda britânica Queen, e incluída no seu álbum A Night at the Opera. Esta canção não possui refrão, e consiste de três partes principais: um segmento de balada que acaba com um solo de guitarra, uma passagem operística e uma seção de hard rock. Nela, Freddie Mercury, Roger Taylor e Brian May cantam respectivamente nas tessituras média, aguda e grave. May toca a guitarra, Taylor toca bateria, tímpano e gongo, e John Deacon toca o baixo elétrico.

Quando foi lançada como single, "Bohemian Rhapsody" se tornou um sucesso comercial, ficando no topo da UK Singles Chart por nove semanas e vendendo mais de um milhão de cópias até o fim de janeiro de 1976. Ela alcançou o topo das listas em diversos outros mercados, incluindo Canadá, Austrália, Nova Zelândia, Irlanda e Holanda.

O single foi acompanhado de um vídeo promocional, inovador para a época, e popularizou o uso de videoclipes para lançamento de singles , além de ter sido considerado o marco inicial da “era da MTV”. Apesar de a reação crítica ter sido inicialmente dividida, particularmente nos Estados Unidos, "Bohemian Rhapsody" continua sendo uma das músicas mais populares do Queen. A revista Rolling Stone a colocou na 163° posição da sua lista "The 500 Greatest Songs of All Time", e considerou o seu solo de guitarra como o 20° melhor solo de todos os tempos.

Assista o Vídeo no You Tube: Bohemian Rhapsody


"Wild Horses" é uma canção da banda de rock inglesa Rolling Stones, lançada em seu álbum Sticky Fingers, de 1971. De autoria de Mick Jagger e Keith Richards, a canção foi classificada na 334ª posição da lista das 500 melhores canções de todos os tempos da Revista Rolling Stone, feita em 2004.

No encarte da coletânea da banda de 1993, Jump Back: The Best of The Rolling Stones, Jagger declarou: "Todos sempre dizem que esta [canção] foi composta a respeito da Marianne, mas eu não acho que foi; aquilo já tinha terminado há muito naquela altura. Mas eu estava definitivamente muito presente nesta peça, emocionalmente." O guitarrista Keith Richards foi responsável pela melodia, e também teria criado a frase "Wild Horses".

Gravada originalmente durante um período de três dias no Muscle Shoals Sound Studio, no Alabama, de 2 a 4 de dezembro de 1969, a canção só foi lançada um ano mais tarde devido a complicações legais com a antiga gravadora do grupo. Juntamente com "Brown Sugar", é uma das duas canções do álbum Sticky Fingers cujos direitos autorais eram de propriedade de Allen Klein, juntamente com os Stones. A canção conta com Jim Dickinson, no piano, Keith Richards na guitarra, e Richards e Jagger em violões. Richards usa a afinação Nashville, na qual as cordas EADG do violão são substituídas por cordas afinadas uma oitava acima.

Assista o Vídeo no You Tube: Wild Horses


"Sweet Memories", é uma canção composta por Ray Charles e interpretada com a cantora Mary Ann. Ray Charles (Albany, 23 de setembro de 1930 – Los Angeles, 10 de junho de 2004) foi um pianista norte-americano, pioneiro e cantor de música soul, blues, jazz que ajudou a definir o seu formato ainda no fim dos anos 50, além de um inovador intérprete de R&B. Seu nome de batismo, Ray Charles Robinson, foi encurtado para Ray Charles quando entrou na indústria do entretenimento para não ser confundido com o famoso boxeador Sugar Ray Robinson. Considerado um dos maiores gênios da música negra norte-americana, Ray Charles também foi um dos responsáveis pela introdução de ritmo gospel nas músicas de R&B. Foi eleito pela Rolling Stone o 2º maior cantor de todos os tempos e 10º maior artista da música de todos os tempos.

Entre seus sucessos históricos desta fase estão canções como "Unchain My Heart", "Ruby", "Cry Me a River", "Georgia On My Mind" e baladas country tais como
 "Sweet Memories", e seu maior sucesso comercial, "I Can't Stop Loving You", de 1962. Apesar de problemas com drogas que lhe prejudicaram a carreira, as interpretações de Ray Charles sempre foram apreciadas, não importando as músicas que cantasse. Uma "aura" de genialidade reconhecida acompanhou-o até o fim da vida e mais do que nos últimos álbuns que gravou, era nas suas apresentações ao vivo que o seu talento único podia ser apreciado.

Assista o Vídeo no You Tube: Sweet Memories


"Let Me Live" ("Deixe-me Viver") é um single da banda britânica de rock Queen, original do álbum Made in Heaven, lançado em 1995. É a única faixa pela qual Freddie Mercury, Brian May e Roger Taylor dividem entre si os vocais. A canção foi lançada como single em 1996, em duas edições. Uma trouxe como B-sides as músicas "Fat Bottomed Girls" e "Bicycle Race" e outra edição gravações raras no início da banda.

Há rumores de que esta canção foi originalmente gravada com a participação de Rod Stewart em 1983, e a faixa estava destinada ao álbum The Works, de 1984. A letra na versão do álbum Made in Heaven teve que ser mudado devido a questões de direitos autorais. A canção alcançou a posição na parada de singles do Reino Unido.

Assista o Vídeo no You Tube: Let Me Live


"We Are The World" é uma canção composta por Michael Jackson e Lionel Richie, gravada em janeiro de 1985 por 45 dos maiores nomes da música norte-americana, no projeto conhecido como USA for Africa. A música tinha como objetivo arrecadar fundos para o combate à fome no continente africano. Inspirados pelo Band Aid, festival organizado pelo músico irlandês Bob Geldof, que reuniu dezenas de astros da música mundial, Michael e Lionel convocaram 45 dos maiores nomes da música norte americana em torno do projeto. O single, o LP e o clipe renderam cerca de 55 milhões de dólares. We Are the World apresentava 44 vocalistas diferentes, incluindo Michael Jackson, Lionel Richie, Harry Belafonte, Tina Turner, Bruce Springsteen, Billy Joel, Kenny Rogers, Bob Dylan, Cyndi Lauper, Diana Ross,Ray Charles e Stevie Wonder. Foi produzido pelo maestro Quincy Jones, que também fez a regência do grupo vocal. A vendagem atingiu 7 milhões de cópias só nos Estados Unidos, tornando-se um dos singles mais vendidos de todos os tempos.

A iniciativa desencadeou no Brasil a campanha Nordeste já, que seguiu a ideia original. Em 1987 a Rede Globo, no programa Fantástico, lançou o clipe da música 
"Viver outra Vez" em benefício da campanha em combate à AIDS, onde participaram vários cantores como Adriana, Jerry Adriani, Márcio Greyck, Erasmo Carlos, Marcelo, Elza Soares, Dalto, Guilherme Arantes, Neguinho da Beija Flor, Rosana, Sylvinho, 14 Bis e a modelo Monique Evans. Este clipe foi feito aos moldes da campanha americana.

Assista o Vídeo no You Tube: We Are The World


“Let It Be” é uma canção dos Beatles composta por Paul McCartney, creditada à dupla Lennon-McCartney, e lançada no Lado A do single Let It Be/You Know My Name (Look Up The Number) de 1970. A canção também é faixa título do último disco em atividade, “Let It Be” e do filme de mesmo nome, lançado também em 1970.

A canção cita “Mother Mary comes to me” que apesar de parecer algo Católico ou Cristão (“Ave Maria vem até mim”), na verdade se trata de Mary McCartney, mãe de Paul. Mas ele explica a dualidade: “Ave Maria ou Mãe Maria, se torna uma coisa religiosa e você pode tomar desse jeito. Eu não me importo. Eu fico feliz se as pessoas tomarem para alimentar sua fé. Não tenho problema com isso. Acho importante ter fé na vida, principalmente no mundo que vivemos.”

John Lennon demonstra pouca afeição pela canção na entrevista para a revista Playboy em 1980: "Aquilo é Paul". O que eu posso dizer? Nada a ver com os Beatles. Poderia ser até Wings. Eu acho que a inspiração foi ‘Bridge Over Troubled Water.’ É o que eu acho mas não tenho muito a dizer. Só sei que ele sempre quis fazer ‘Bridge Over Troubled Water.

Assista o Vídeo no You Tube: Let It Be


"Billie Jean" é uma canção do cantor e compositor americano Michael Jackson lançada como segundo compacto do álbum Thriller em 1982. Originalmente reprovada pelo então produtor de Jackson, Quincy Jones, a faixa quase foi retirada do álbum depois que ele e Jackson tiveram discordâncias quanto a isso. A música é bem conhecida por sua distintiva linha de baixo e soluços vocais de Jackson. A canção foi mixada 91 vezes pelo engenheiro de som Bruce Swedien finalizando-a na segunda mixagem.

Seguindo o sucesso nas paradas do single "The Girl Is Mine" e do álbum Thriller, "Billie Jean" foi lançada em 2 de janeiro de 1983, como segundo single do álbum. Tornou-se um sucesso comercial e de crítica em todo o mundo, "Billie Jean" foi um dos singles mais vendidos de 1983. Em outros países, "Billie Jean" liderou as paradas da Espanha e Suíça, alcançou o top dez na Áustria, Itália, Nova Zelândia, Noruega e Suécia, e alcançou a posição número 45 na França e tornou-se o maior sucesso do cantor nos Estados Unidos, permanecendo por sete semanas no topo da lista pop e nove liderando a rhythm & blues. "Billie Jean" foi coroada disco de platina pela Recording Industry Association of America (RIAA), em 1989.

Premiado para inúmeros prêmios, incluindo dois Grammy, um American Music Award e uma indicação para o Vídeo Music Producers Hall of Fame, a música e o videoclipe impulsionaram Thriller ao status de álbum mais vendido de todos os tempos. A canção foi promovido com um videoclipe que quebrou as barreiras raciais da MTV como o primeiro vídeo de um artista negro a ser exibido pelo canal e que tornou o canal, na época desconhecido, famoso e conhecido, e um Emmy nomeado pelo desempenho na Motown 25: Yesterday, Today, Forever, no qual Jackson estreou o "Moonwalk". A música também foi promovida através de Jackson nos comerciais da Pepsi, que durante a filmagem de um comercial o couro cabeludo de Jackson foi severamente queimado. "Billie Jean" selou o status internacional de Jackson como um ícone pop. A canção está em 2º lugar na lista do VH1 das "Melhores Canções dos Últimos 25 Anos" de 2001; na "Melhores Canções Pop" lançada pela MTV e Rolling Stone em 2000; e 28º na "100 Melhores Canções para Dançar" do VH1, também divulgada em 2000. Na lista dos "Melhores Vídeos" da MTV o clipe aparece em 35º e na do VH1, em 34º. É frequentemente citada como uma das canções mais revolucionárias da história e é considerada por muitos como a maior música de Jackson.

Assista o Vídeo no You Tube: Billie Jean


The Hollies é uma banda britânica de rock and roll formada no princípio dos anos 1960. Eles foram contratados pela Parlophone em 1963 como colegas de selo dos Beatles, e lançaram seu primeiro álbum nos Estados Unidos em 1964 durante a primeira leva da Invasão Britânica. Eles são comumente associados a Manchester, pois vários de seus integrantes originais vinham da cidade e de comunidades vizinhas. Em 2010 a banda entrou para o Hall da Fama do Rock and Roll.

Apesar de normalmente não ser lembrada como uma das principais bandas de rock dos anos 1960, os Hollies emplacaram diversos sucessos e se tornaram, ao longo da década, o segundo grupo de maior sucesso da Grã-Bretanha em termos de vendagem de discos, atrás apenas dos Beatles. O grupo se caracterizou por impecáveis trabalhos vocais, duplos ou triplos, com Clarke, Nash e Hicks, o que ainda rende comparações com o trabalho feito anteriormente pelos Everly Brothers. Entre as canções mais populares do conjunto, destacam-se: Long Cool Woman in a Black Dress, Stay, Stop In The Name Of Love, Bus Stop, Look Through Any Window, Sorry Suzanne, Jennifer Eccles, The Air That I Breathe, além da antológica "He Ain't Heavy, He's My Brother", várias delas com versões em português, escritas ou gravadas por diversos artistas da Jovem Guarda.

Assista o Vídeo no You Tube: He Ain't Heavy, He's My Brother


"Imagine" é uma canção escrita e interpretada pelo músico inglês John Lennon. O single "Imagine" foi o mais vendido de sua carreira solo, sua letra encoraja o ouvinte a imaginar um mundo em paz, sem barreiras nas fronteiras ou  divisões de religiões e nacionalidades e considerar a possibilidade de que o foco da humanidade deveria estar em viver uma vida desapegada de bens materiais.

Lennon e Yoko Ono, produziram a canção e o álbum do mesmo nome Imagine (álbum) com Phil Spector. A gravação começou no estúdio na casa de Lennon no Parque Tittenhurst, na Inglaterra, em maio de 1971, e a edição dos acréscimos finais (de instrumentos ou voz) aconteceu no Record Plant na cidade de Nova York, durante julho. Um mês após o lançamento do LP em setembro, Lennon lançou "Imagine" como single nos Estados Unidos; a canção alcançou a terceira posição da Billboard Hot 100, das 100 músicas mais tocadas e o LP alcançou o primeiro lugar das paradas no Reino Unido em novembro, mais tarde se tornou o álbum mais bem sucedido comercialmente e aclamado pela crítica da carreira solo de John Lennon. Apesar de não ser originalmente lançada como single no Reino Unido, "Imagine" foi lançada em 1975 para promover um LP compilação e alcançou o sexto lugar nas paradas daquele ano. A canção já vendeu desde então mais de 1,6 milhões de cópias no Reino Unido, e alcançou o primeiro lugar após a morte de John Lennon em dezembro de 1980.

Broadcast Music Incorporated nomeou "Imagine" como uma das 100 músicas tocadas dos século 20. A canção ficou no trigésimo lugar do ranking da  Recording Industry Association of America' que elaborou uma lista das 365 músicas Músicas do Século, a colocação de maior relevância histórica para a canção . Recebeu o prêmio Grammy Hall of Fame e uma indução dentro do museu Rock and Roll Hall of Fame como uma das 500 músicas que moldaram o Rock. Uma pesquisa britânica conduzida pelo Livro de Hits de Singles Britânicos British Hit Singles & Albums nomeou "Imagine" como o segundo melhor single de todos os tempos, e no ranking da revista Rolling Stone, a música ficou na terceira posição da lista das Lista das 500 melhores canções de todos os tempos da Revista Rolling Stone". Desde 2005, os organizadores do evento tocam "Imagine" antes que a Bola da Times Square  caia na cidade de Nova York. Dezenas de cantores interpretaram ou gravaram versões de "Imagine", incluindo Madonna, Stevie Wonder, Joan Baez, Elton John, e Diana Ross. Emeli Sandé gravou um cover para a British Broadcasting Corporation para ser usado na montagem dos créditos finais para o fim dos Jogos Olímpicos de Verão de 2012 durante a sua cobertura. Em seguida "Imagine" entrou novamente no Top 40 do Reino Unido, alcançando a décima oitava posição.

Assista o Vídeo no You Tube: Imagine


"Too Much Love Will Kill You" é um single do cantor Brian May, lançado em 1992, música integrante de seu álbum Back to the Light, escrita por May com Frank Musker e Elizabeth Lamers.

A canção foi gravada pelo Queen em meados de 1988, e inicialmente estava destinada ao álbum The Miracle, de 1989, mas foi removida do repertório. Depois da morte de Freddie Mercury, May produziu uma versão solo, que foi tocada no The Freddie Mercury Tribute Concert em 1992, e, posteriormente, incluída em seu álbum solo. Foi lançada como single, e alcançou a quinta posição no UK Singles Chart.

Em 1995, os integrantes do Queen escolhem a gravação original de "Too Much Love Will Kill You", com Mercury nos vocais, para o álbum Made in Heaven, lançado quatro anos após a morte do cantor. Diferentemente da versão de May, a do Queen é uma power balada característica do período final dos anos 1980 em que foi gravada, com uso pesado de teclados e guitarra.

Assista o Vídeo no You Tube: Too Much Love Will Kill You


"it's a man's man's world" é um single de sucesso do álbum All the Way, de autoria composta por: James Brown, Nick Jones e Betty Jean, interpretado pela magnífica Etta James. Sua primeira gravação, e seu primeiro êxito R&B, foi de sua própria autoria, "The Wallflower (Dance with Me, Henry)", uma música-resposta para a música de Hank Ballard, "Work with Me, Annie". Em 1954, Etta gravou juntamente com a banda de Otis e com Richard Berry, o qual cantava a segunda voz. A canção, que não estava totalmente boa, foi re-escrita por Georgia Gibbs, ganhando o título de "Dance with Me, Henry". Também gravou momentaneamente com a banda intitulada Etta James & the Peaches, com diversos hits, sendo contratada mais tarde pela Chess Records, em 1960.

Saiu em turnê com Johnny "Guitar" Watson juntamente com Otis nos anos '50 e foi referida por Watson como a penúltima influência em seu estilo. Ela lançou vários duetos com Harvey Fuqua (dos The Moonglows), dos quais surgiu o seu maior sucesso já gravado, a belíssima e clássica "At Last". A canção, que apareceu juntamente com outros êxitos como "All I Could Do Was Cry" e "Trust in Me", foi incluída no seu álbum de estreia, "At Last!".

Assista o Vídeo no You Tube: It's a Man's Man's World


"How Can I Go On" é uma canção do álbum Barcelona, gravada por Freddie Mercury e Montserrat Caballé, composta pelo próprio Mercury com parceria de Mike Moran.

Barcelona é o segundo e último álbum de estúdio do cantor britânico Freddie Mercury (Queen). Foi lançado em 1988 e conta com a participação da cantora lírica espanhola Montserrat Caballé em praticamente todas as faixas. Freddie sempre sonhou em gravar um disco de ópera com Montserrat Caballé, facto que se concretizou em 1988, e até hoje é um dos encontros musicais mais bem sucedidos do cantor

A canção foi escolhida para ser o hino dos Jogos Olímpicos de 1992 na Espanha, mas Mercury morreu em menos de sete meses antes do início dos jogos. Ela foi, no entanto, apresentada na cerimônia de abertura, e foi usada como a música título da cobertura dos Jogos Olímpicos pela BBC. O vídeo da música foi filmado na maior discoteca do mundo, Privilege em Ibiza. Uma edição especial do álbum foi lançada em 3 de setembro de 2012. Esta edição apresenta uma nova versão do álbum com as faixas instrumentais anteriores substituídas por novas, orquestração e percussão sinfônica ao invés de sintetizadores e teclados. O álbum original de 1988 foi produzido por Mike Moran e Freddie Mercury.

Assista o Vídeo no You Tube: How Can I Go On


"Still Loving You" é uma canção da banda alemã de hard rock e heavy metal Scorpions. Foi escrita por Rudolf Schenker com Klaus Meine, para seu nono álbum de estúdio, Love at First Sting, lançado em 1984. Em julho do mesmo ano, foi lançado como o segundo single do álbum. Sua letra tem sido vista como uma metáfora da divisão da Alemanha Oriental e Alemanha Ocidental, mas o significado real é sobre a história de um amor desesperado. Em uma entrevista com a Songfacts, Rudolf Schenker explicou: "É uma história sobre um caso de amor, onde reconhecem que pode ter acabado, mas irão tentar de novo".

O videoclipe foi lançado em julho de 1984, e foi filmado em Dallas, Texas no Reunion Arena. É considerada uma das baladas clássicas do grupo alemão, além de ter grande possibilidade de ser o ícone mais escutado do estilo power ballad. Ingressou no Top 10 em alguns países europeus, incluindo na França, onde obteve em poucos meses, o certificado de platina ao superar um milhão de cópias vendidas. Até o momento, apenas na França, o single já vendeu mais de 1,7 milhões cópias. Em 1992, foi lançada em uma versão remasterizada em uma compilação homônima, que em alguns países foi lançado como um single.

Assista o Vídeo no You Tube: Still Loving You


"See You on the Other Side" é uma canção do álbum de estúdios Ozzmosis, solo do músico Ozzy Osbourne. Ozzmosis é um álbum, de gênero Heavy Metal, do músico britânico Ozzy Osbourne, lançado originalmente em 24 de Outubro de 1995. Um dos músicos com quem Osbourne escreveu este álbum foi Steve Vai, e a única canção dessa colaboração que aparece em Ozzmosis é "My Little Man". Ozzmosis foi gravado pela Epic Records. Em 25 de Junho de 2002 foi re-lançado, mas com duas canções extras: "Whole World's Fallin' Down" e "Aimee".

John Michael Osbourne, conhecido como Ozzy Osbourne (Aston, Inglaterra, 3 de dezembro de 1948), é um músico, compositor e vocalista britânico. Famoso por seu trabalho como vocalista da banda britânica Black Sabbath, uma das pioneiras do Heavy metal. Além de sua carreira solo que inclui sucessos como "Crazy Train", "Mr. Crowley", "Mama, I'm Coming Home" com 11 álbuns de estúdio lançados. Somando a venda de seus álbuns solo com os que gravou com o Black Sabbath, Ozzy Osbourne alcançou a marca de 100 milhões de cópias vendidas.

Assista o Vídeo no You Tube: Vídeo não Disponível


"My Love" foi uma das canções que Paul compôs em parceria com sua esposa Linda. O sucesso junto ao marido lhe abriu as portas e Linda gravou seu próprio projeto que inclui faixa que ela compôs e canta o vocal principal. A canção principal de sua autoria, "Seaside Woman" (1977) foi remixada para um filme curto homônimo, premiado no Festival de Cannes em 1980. A única coletânea de suas canções com lançamento póstumo chama-se Wide Prairie (1998), com canções interpretadas por vários artistas.

O sucesso de Linda McCartney na música foi - no conjunto total de seu trabalho - por conta de seu marido, o ex-Beatle Paul McCartney. Linda nunca foi uma intérprete, ou compositora, antes de conhecer Paul, mas mesmo assim ela cativou o público mundialmente também com sua constante presença no teclado durante as apresentações ao vivo e com seus doces acompanhamentos vocais junto a Paul. Nota-se em particular, canções de grande sucesso como "Another Day", em que Paul toca todos os instrumentos e Linda preenche a melodia suavemente junto ao marido com vocais de fundo. Este preenchimento vocal ("duuuhs") é quase que uma marca registrada de Paul, que se destacou mais ainda durante os anos que lançava seus discos da carreira solo, ou com o grupo Wings em que, talvez por falta de seus originais ex-parceiros de rock ou por uma grande conveniência, usava constantemente sua esposa nas gravações. A combinação nova funcionou e juntos se tornaram os músicos pop mais ricos da história da música. Os sucessos musicais de gravações feitas juntos foram em grande parte número um na Inglaterra e nos Estados Unidos.

Assista o Vídeo no You Tube: My Love


"Walking The Back Streets" é uma canção do álbum Matriarch of the Blues por Etta James, lançado em dezembro de 2000, através da gravadora musical privada. O título do álbum reflete James 'apelido como "matriarca do blues". Marcação James' return ao blues seguintes tentativas de música country e clássicos do jazz e do pop, o álbum consistia principalmente de rhythm and blues covers. Filhos de James, Donto e Sametto, são creditados como engenheiros, misturadores e produtores, entre outras contribuições; O álbum conta com Mike Finnigan sobre o órgão Hammond, o guitarrista Leo Nocentelli e performances em vários instrumentos por Jimmy Zavala.

Matriarch of the Blues  recebeu recepção crítica mista. Depois de seu lançamento, o álbum alcançou a posição de pico de número dois na Billboard 's Top Albums de blues. Billboard questão final s' para 2001 incluiu Matriarca como número 10 em sua lista de Melhores Álbuns dos azuis para o ano. O álbum foi nomeado para Melhor Álbum de Blues Contemporâneo nos 44th Grammy Awards.

Assista o Vídeo no You Tube: Walking The Back Streets


"Sunshine on My Shoulders" (Luz do sol em meus ombros) às vezes chamado simplesmente "Luz do sol" é uma canção gravada e co-escrito por americano cantor e compositor John Denver. Ele foi originalmente lançado como uma faixa do álbum em 1971 de Poemas, Prayers & Promises e, mais tarde, como um single em 1973. Ela foi a número um na Billboard Hot 100 chart em os EUA no início de 1974.

Denver descreveu como ele escreveu "Luz do sol em meus ombros": Eu escrevi a música em Minnesota... No momento em que eu chamo de final do inverno, início da primavera. Foi um dia triste, cinzento e lamacento. A neve estava derretendo e era muito frio para ir lá fora e se divertir, você está pronto para a Primavera. Você quer chegar ao ar livre novamente e você está esperando que o sol brilhe, e se lembra de como, por vezes, apenas o próprio sol pode fazer você se sentir bem. E nesse quadro de muita melancolia de espírito é que eu escrevi 'Sunshine sobre os meus ombros. 

Ele era originalmente o lado B de uma de suas primeiras canções, "Eu seria um pouco vaqueiro". À medida que a Guerra do Vietnã chegou ao fim, a música assumiu um novo significado e passou a receber airplay no adulto contemporâneo estações de rádio. Ele entrou na Billboard Hot 100, no número 90 em 26 de janeiro, 1974 e mudou-se para o primeiro lugar nove semanas mais tarde, mantendo-se em por uma semana. A canção também superou o adulto contemporâneo gráfico por duas semanas em 1974. A Billboard classificou-o como a canção Nº 18 para 1974.

Assista o Vídeo no You Tube: 


"Let's Get It On" é uma canção e hit single pela "Soul music" Marvin Gaye, lançado em 15 de junho de 1973, pelo selo Motown-subsidiária Tamla Registros. A canção foi gravada em 22 de março de 1973 em Hitsville Oeste em Los Angeles, Califórnia. A canção apresenta lirismo romântico e sexual e do funk instrumentação por The Funk Brothers. A faixa-título do álbum de 1973 do marco do Gaye mesmo nome; ele foi escrito por Marvin Gaye e o produtor Ed Townsend. "Let's Get It On" tornou-se mais bem sucedido single de Gaye para a Motown e uma de suas músicas mais conhecidas. Com a ajuda de conteúdo sexualmente explícito da canção, "Let's Get It On" ajudou a dar Gaye uma reputação como um ícone de sexo durante sua popularidade inicial.

Com o produtor Co-escrito Ed Townsend, "Let's Get It On" foi o apelo de Gaye pela libertação sexual. Quando originalmente concebido por Townsend, que foi lançado a partir de uma clínica de reabilitação para o alcoolismo, ele foi escrito com um tema religioso. Gaye mudou algumas das palavras em torno da canção alterando-a em sua versão original, mas Townsend protestou que a música não era uma canção politicamente consciente, mas uma canção dedicada ao amor e sexo. Gaye  e Townsend, colaborou com novas letras usando as faixas de apoio originais como registrado, porém Gaye transformou a canção em uma peça central emocional. A versão do álbum "Let's Get It On" apresenta uma canção emocional na voz de Gaye que é apoiado por múltiplos-rastreados vocais de fundo, também fornecidos por Gaye, juntamente com a assinatura da canção, e mais notáveis, funk e arranjos de guitarra. 

Em 2001, quando o álbum "Let s Get It On" foi relançado pela Motown como um dos dois discos edição de luxo, a demo original que Gaye tinha gravado com letras por Kenneth Stover foi incluído. Tem uma duração de 5:12. Durante o tempo da gravação da música e seu álbum subseqüente do mesmo nome, Marvin tinha amizade com a família do guitarrista de jazz "Slim Gaillard" e tornara-se encantado com sua filha de dezessete anos, Janis Hunter. Uma história que acabara sendo divulgada, fora que Hunter estava no estúdio quando Gaye gravou a canção na cabine de gravação. Gaye e Hunter começaram a namorar tornando-se amantes no ano de 1974. Mais tarde seu relacionamento produziria dois filhos e um casamento no ano de 1977.

Assista o Vídeo no You Tube: 


" Angie " é uma canção da rocha banda The Rolling Stones , caracterizado em seu álbum de 1973 Goats Head Soup. Creditado como a maioria das músicas dos Rolling Stones, tanto para Mick Jagger e Keith Richards , mas reconheceu a ser quase completamente escrito por Richards, "Angie" foi gravado em novembro e dezembro de 1972, e é uma balada acústica-guitarra-driven consideradas como caracterizando o fim de um romantismo. Acompanhamento de piano distintivo da canção, escrita por Richards, foi jogado no álbum por Nicky Hopkins, um Rolling Stones gravação de sessão regular. As cordas sobre a peça (assim como em outra canção, " Inverno ") foram organizadas por Nicky Harrison. Uma característica incomum da gravação original é que o cantor Mick Jagger faixa de guia vocal 's (feita antes de os vocais finais foram realizado) é fracamente audível durante toda a canção (um efeito muitas vezes chamado de "fantasma vocal"). 

Lançada como single em agosto de 1973, "Angie" foi direto para o topo os EUA Billboard Hot 100 e chegou a No. 5 na parada de singles do Reino Unido . A canção também foi um hit número 1 no Canadá e na Austrália durante cinco semanas cada e liderou as paradas em vários países da Europa e do resto do mundo. Por causa do comprimento da canção, algumas estações de rádio feitas edições para encurtar a 3 minutos, omitindo a mais coda e a segunda seção instrumental da canção. Houve especulações de que a canção era sobre David Bowie 'primeira esposa Angela, a atriz Angie Dickinson, , Keith Richards' filha recém-nascida Dandelion Angela, e outros. Em 1993, em uma entrevista para o encarte para os Rolling Stones álbum de compilação saltar para trás: o Melhor de The Rolling Stones, Richards disse que o título foi inspirado por sua filha bebê. 

No entanto, em seu 2010 memoir vida, Richards disse que ele tinha escolhido o nome ao acaso ao escrever a música - antes que ele sabia que seu bebê seria nomeado Angela ou mesmo sabia que seu bebê seria uma menina - e que a música "não era sobre uma pessoa em particular." de acordo com a NME, as contribuições de Jagger para as letras que se refere o seu rompimento com Marianne Faithfull. Os Rolling Stones têm frequentemente cantado a música em concerto; foi incluído no setlist em seus passeios em 1973, 1975 e 1976, e eles têm realizado isso em todas as turnês desde a sua excursão européia em 1982 . No documentário Protagonista, o ex-terrorista alemão Hans-Joachim Klein observa que a canção o inspirou a adotar "Angie", como o apelido que ele usou durante suas atividades militantes na década de 1970. Em 2005, o partido político alemão CDU usou o canção em sua campanha eleitoral para Angela Merkel, embora os Rolling Stones não lhes havia dado permissão para fazê-lo.


"Ben" é uma canção de autoria de Donald Black e Walter Scharf, gravada em 1972 pelo cantor americano Michael Jackson, então adolescente, para a gravadora Motown. O hit, composto originalmente para Donny Osmond, e oferecido a Jackson devido à indisponibilidade de Osmond, em turnê na época, passou uma semana no topo da Billboard Hot 100, principal parada pop americana. O single também chegou à primeira posição na parada pop australiana, onde passou oito semanas.

Tornou-se o primeiro de 12 sucessos de Jackson a atingirem o topo das paradas nos EUA, e foi seu primeiro a fazê-lo já como artista solo. Incluído posteriormente no álbum homônimo, "Ben", a canção, incluída na trilha sonora do filme homônimo (a continuação do suspense sobre ratos assassinos Willard, de 1971); venceu um Globo de Ouro de Melhor Canção e foi indicado ao Oscar de Melhor Canção Original.


Pride (In the Name of Love) é a segunda música e primeiro single do quarto álbum de estúdio The Unforgettable Fire da banda de rock irlandesa U2, lançado em 1 de setembro de 1984. A música é uma homenagem ao pastor e ativista político norte-americano Martin Luther King, que fora assassinado em 1968. A música alcançou lugares no Top 5 de vendas do Reino Unido e Top 50 nos EUA. O Rock and Roll Hall of Fame selecionou "Pride (In the Name of Love)" como umas das "500 Canções que moldaram o Rock and Roll".

O documentário presente no DVD U2 Go Home: Live from Slane Castle, retrata a gravação do álbum The Unforgettable Fire, e em especial a gravação de "Pride", mostrando o processo de construção da música e como ela era antes de chegar ao que se encontra na versão final do álbum. Além do álbum The Unforgettable Fire, com o sucesso da canção, faz parte também de coletâneas da banda, como no álbum The Best of 1980-1990, lançado em 1998 e U2 18 Singles, lançado em 2006. 

Também fez parte de muitos concertos do U2, dentre elas estão Zoo TV: Live from Sydney, Popmart: Live from México City, U2 Go Home: Live from Slane Castle, Vertigo 2005: Live from Chicago, Rattle and Hum (Tanto no álbum, quanto no filme) e U2 3D.

A canção foi trilha sonora do filme Tudo Acontece em Elizabethtown, em 2005.


"Goodbye Yellow Brick Road" é uma balada composta pelo músico Elton John (melodia) e por seu colaborador Bernie Taupin (letra) para o álbum Goodbye Yellow Brick Road, de 1973. O estilo e a produção de GYBR é fortemente influenciado pelo soft rock dos anos 70. A canção foi sucesso de público e crítica, sendo que alguns críticos chegaram a rotulá-la como a melhor música de Elton John.

A canção foi lançada em 1973 como o segundo single do álbum, e entrou no Top Ten, tanto no Reino Unido e nos Estados Unidos. Foi um dos maiores sucessos de John, e superou o single anterior, do Saturday Night Alright for Combate, em vendas e popularidade rapidamente após o seu lançamento. Nos EUA, foi certificado ouro em 4 de Janeiro de 1974 e Platinum em 13 de Setembro de 1995 pela RIAA . 

O Yellow Brick Road é uma imagem tirada do filme 1939 O Mágico de Oz. No filme, Dorothy e seus amigos são instruídos para seguir a estrada de tijolos amarelos em busca do Mágico de Oz, apenas para descobrir que eles tinham o que eles estavam procurando o tempo todo. As ligações rodoviárias até a Cidade das Esmeraldas, na terra de Oz, muitas vezes referida como uma metáfora para "A estrada que conduz a fantasias de vida" ou "A estrada que leva a respostas da vida." 

A letra descreve querendo voltar a uma existência mais simples depois de viver o que o narrador pensava que era a boa vida, mas percebendo que simplesmente tinha sido tratado como um animal de estimação. O Mágico de Oz teria sido o primeiro filme que o parceiro de composição de Elton John Bernie Taupin já vira, e ele usou as imagens nas letras relacionadas com a sua própria vida como o seu desejo de "voltar para suas raízes".


"The Long and Winding Road" (A estrada longa e sinuosa) é uma música composta por Paul McCartney e creditada a Lennon/McCartney, gravada pela banda britânica The Beatles no álbum Let It Be, de 1970 e foi o último single lançado pelo quarteto.

Enquanto a versão lançada da música foi muito bem sucedida, as modificações pós-produção pelo produtor Phil Spector irritou McCartney ao ponto que quando ele fez o seu caso em tribunal para romper os Beatles como uma entidade legal, ele citou o tratamento de "The estrada longa e sinuosa "como um dos seis razões para o fazer. Novas versões da canção com instrumentos mais simples foram posteriormente liberados por ambos os Beatles e McCartney. Em 2011, a Rolling Stone classificou "The Long and Winding Road" número 90 em sua lista dos 100 maiores canções dos Beatles de todos os tempos.


Simple Together é um single de composição da própria Alanis Morissette que ocupa a faixa 9 do álbum "The Collection" uma coletânea, lançada no dia 15 de novembro de 2005 nos Estados Unidos. O álbum inclui material de 1995 a 2005, incluindo uma canção cover do cantor Seal "Crazy". Em 6 de dezembro de 2005 foi lançado uma edição limitada que continha um DVD.


Summertime, é um Single do Álbum "Live at Winterland '68" quando Janis Joplin estava ainda na banda Big Brother and the Holding Company. Ele foi gravado no "Winterland Ballroom" em dois dias, 12 e 13 de abril de 1968. A grande maioria das músicas mostra Janis Joplin e a Big Brother and the Holding Company executando músicas de seu primeiro álbum. As únicas músicas do álbum seguinte, o "Cheap Thrills", foram "Ball and Chain", "Piece of My Heart", "Summertime", "I Need a Man to Love" e "Combination of the Two".


"Heaven for Everyone" é uma canção da banda britânica The Cross escrita pelo baterista Roger Taylor. Ela apareceu originalmente no álbum Shove It, da banda de Taylor, The Cross, tendo Freddie Mercury como cantor convidado e sendo a quarta faixa do álbum. Posteriormente foi retrabalhada como música do Queen e apareceu no álbum de 1995, Made in Heaven, onde foi a sétima faixa e foi lançada como primeiro single do álbum. A música alcançou o segundo lugar na UK Singles Chart, a parada britânica.

"Heaven for Everyone" como música do Queen"

Após a morte de Freddie Mercury, assim que o Queen começou as preparações para completar o álbum póstumo Made in Heaven, "Heaven for Everyone" foi selecionada para ser refeita pela banda como música do Queen. Os vocais principais de Mercury gravados em 1987 ganharam fundo instrumental e backing vocal novos. Uma diferença significativa entre as versões da The Cross e do Queen é que não há a introdução e nem o final falados, como feito por Taylor na versão original da The Cross. O Queen não explicou o porquê destes elementos terem sido retirados, mas supõe-se que sem as partes faladas, a música ficaria mais amigável ao ouvinte.

" Videoclipe"

Um videoclipe para homenagear Freddie Mercury foi dirigido por David Mallet e lançado em 1995.[2] Ele mostra trechos dos filmes "Viagem à Lua", "Viagem Através do Impossível" e "O Eclipse", todos de Georges Méliès. Além disso, também intercala homenagens dos fãs. O videoclipe para a versão da "The Cross" mostra Taylor cantando em um lugar parecido com uma praia, enquanto pessoas idosas passam pela banda e sobem escadas para alcançarem o Paraíso.



Gueto Woman é uma canção composta e gravada pelo cantor Norte-americano de blues, Riley Ben King, mais conhecido como B. B. King, (Itta Bena, 16 de setembro de 1925 – Las Vegas, 14 de maio de 2015) foi um guitarrista de blues, compositor e cantor estadunidense. 

O "B. B." em seu nome significa Blues Boy, seu pseudônimo como moderador na rádio W. Foi considerado, ao lado de Eric Clapton e Jimi Hendrix, um dos melhores guitarristas do mundo pela revista norte-americana Rolling Stone. Ao longo da sua carreira, B.B. King foi distinguido com 15 prêmios Grammy, tendo sido o criador de um estilo musical único e que faria dele um dos músicos mais respeitados e influentes de blues, tendo ganho o epíteto de Rei dos Blues.



"Live to Tell" (em português: Viver Para Contar) é uma canção escrita e produzida por Madonna e Patrick Leonard para o terceiro álbum de estúdio dela, True Blue. Foi lançado como o primeiro compacto simples do álbum em 26 de março de 1986. Integrou a trilha-sonora do filme At Close Range, estrelado por Sean Penn, marido de Madonna na época.

"Live to Tell" marca a primeira grande mudança na carreira de Madonna. Para os críticos, após o grande sucesso dos primeiros temas, orientados para as pistas de dança, Madonna teria que escolher entre manter a mesma fórmula, sendo conhecida apenas como um ídolo adolescente pop ou se arriscar com um trabalho mais maduro, para ampliar o seu público e ganhar credibilidade como vocalista. Madonna escolheu o segundo caminho com "Live To Tell", uma canção com vocais densos e um registro mais sério. A parte instrumental da canção é também muito diferente do que o público esperava ouvir de uma canção de Madonna.

Entrou no topo da Billboard Hot 100 na semana do dia 7 de junho de 1986 e ficou somente uma semana, mas essa música foi a primeira de Madonna a ficar em primeiro lugar na Eurochart, passando 2 semanas em primeiro lugar. Também atingiu o topo das paradas no Canadá, no Chile, na Itália e no Japão. Atingiu a posição de número dois na parada oficial britânica e irlandesa.



A Woman Left Lonely é um single do álbum "Pearl" de 1971 gravado pela cantora Norte-americana de blues Janis Joplin e tem como compositores: Dan Penn & Spooner Oldham

Janis Lyn Joplin (Port Arthur, 19 de janeiro de 1943 — Los Angeles, 4 de outubro de 1970) foi uma cantora e compositora norte-americana. Considerada a "Rainha do Rock and Roll","a maior cantora de rock dos anos 1960" e "a maior cantora de blues e soul da sua geração", ela alcançou proeminência no fim dos anos 1960 como vocalista da Big Brother and the Holding Company e, posteriormente, como artista solo, acompanhada de suas bandas de suporte: a Kozmic Blues e a Full Tilt Boogie. A revista Rolling Stone a considerou entre os 100 maiores artistas de todos os tempos.



"Somebody to Love" é um single da banda britânica de rock Queen, lançado em novembro de 1976. Escrita por Freddie Mercury, a faixa faz parte do álbum A Day at the Races, distribuído no mesmo ano.

A música é uma espécie de continuação de "Bohemian Rhapsody", porém com outras peculiaridades, por conter forte influência do gospel. Para os vocais de apoio, além de Freddie, houve contribuições de Brian May e Roger Taylor. John Deacon, assim como em todas as outras faixas do Queen não participou dos vocais. Alcançou o segundo lugar nas paradas do Reino Unido e a décima terceira nos EUA

Freddie Mercury Tribute Concert foi um concerto realizado no estádio de Wembley, em 20 de abril de 1992, em memória de Freddie Mercury, vocalista da banda inglesa Queen, que morreu em 24 de novembro de 1991, vítima de Aids. Contou com a participação de muitos dos amigos e fãs de Freddie Mercury. O vocalista George Michael, mostrou uma extrema habilidade ao cantar a música Somebody To Love, Bohemian Rhapsody, executada por Elton John e Axl Rose do Guns N' Roses, num dos momentos mais aplaudidos da noite.



"Light My Fire" é uma canção da banda norte-americana The Doors, pertencente ao álbum homônimo de estreia, que foi gravada em Setembro de 1966 e lançada em Janeiro de 1967. Atingiu o primeiro lugar na tabela de singles da Billboard em 1967. Foi re-lançada em 1968, atingindo o 87º posto. A canção foi escrita pelo guitarrista Robby Krieger, embora nos créditos surja "The Doors".

Quando o "Doors" ainda nem tinha pisado em um estúdio de gravação, Jim Morrison era o único compositor da banda.. Ele pediu então aos músicos da banda que tentassem compor algumas músicas, pois a gravadora Elektra Records estava interessada em gravar o primeiro álbum da banda, e faltavam mais umas duas músicas para fechar a lista.. 

O guitarrista Robby Krieger então compõe a melodia, a primeira estrofe e o refrão. Morrison gostou e compôs a segunda estrofe, bem mais sombria e fúnebre que a primeira e juntos eles finalizam a letra da música.. O tecladista Ray Manzarek inventa então aquela introdução muito doida e aqueles solos eternos e a música ficou com mais de 6 minutos.. o presidente da gravadora Jac Holzman disse então que se eles encurtassem a música ela seria com toda certeza um sucesso. 

A princípio os integrantes do Doors reagiram negativamente, mas depois acabaram aceitando e a música passou a ter pouco mais de quatro minutos. E foi nesse formato mais curto que Light my Fire trouxe o estouro da banda no verão de 1967, levando os The Doors para o topo das paradas, e a música se tornou o grande Hit do ano e também daquela geração do fim dos anos 60.



Sledgehammer é uma canção do músico britânico Peter Gabriel, lançada juntamente com o álbum So. Ela alcançou o número 1 em paradas de sucesso do Canadá, dos EUA, e da Grã-Bretanha. Em 1987, concorreu a 3 premiações do Grammy Awards.

O videoclipe desta canção tem ganho vários premio desde que foi lançado. Em 1987, ele bateu o recorde de 9 premiações no MTV Video Music Awards (recorde que ele ainda detém). Além disso, ele é o videoclipe mais tocado da história da MTV.


Old L.A. Tonight, é um Single do Álbum Ozzmosis, de gênero Heavy Metal, do músico britânico Ozzy Osbourne, lançado originalmente em 24 de Outubro de 1995. Um dos músicos com quem Osbourne escreveu este álbum foi Steve Vai, e a única canção dessa colaboração que aparece em Ozzmosis é "My Little Man". Ozzmosis foi gravado pela Epic Records. A Canção Old L.A. Tonight ocupa a faixa 10 deste álbum e atribui os compositores Zakk, Purdell além do próprio Ozzy Osbourne.



The Thrill Is Gone é uma canção de Blues escrita por Roy Hawkins e Rick Darnell em 1951. A gravação de Hawkins chegou à 6ª posição da Billboard R&B, porém a versão mais conhecida é a de B.B. King lançada em 1969. É considerada, ainda hoje, uma das maiores composições da história gênero e perpetuou-se também como uma das canções assinaturas de B.B. King. É listada em 183º das 500 Melhores Canções de Todos os Tempos pela revista Rolling Stone. Foi incluída no Grammy Hall of Fame em 1998.

King gravou "The Thrill Is Gone" originalmente em 1969 para incluí-la em seu álbum Completely Well. O destaque para as cordas da guitarra foi um divisor de águas tanto na história da canção, quanto na carreira do próprio King. Após o lançamento, a versão de King atingiu o Top 20 da Billboard Hot 100 e o 3º lugar na Billboard R&B; foi de imediato seu maior sucesso de vendas. King ganhou também um Grammy de Melhor Vocal Masculino de R&B em 1970.



Help é um single gravado no ano de 1984 pela cantora Pop Norte-americana Tina Turner. Os Ex Beatles Lennon/McCartney são os autores que comporão este single e aparecem no álbum de Tina "Private Dancer.

Anna Mae Bullock (Nutbush, 26 de novembro de 1939), conhecida pelo nome artístico de Tina Turner, é uma cantora, dançarina e atriz nascida nos Estados Unidos e, desde 2013, conseguiu cidadania suíça em decorrência de seu matrimônio. Sua carreira começou há mais de cinquenta anos.



"Always on My Mind" é uma canção de grande sucesso cantada por Elvis Presley, primeiramente gravada por Brenda Lee, em 1971. Sua versão não fez sucesso, o que abriu as portas para Elvis gravá-la, em suas sessões em março de 1972 em Hollywood.

Elvis gravou a canção ainda em 1972, algumas semanas após Priscilla Presley, sua então esposa, pedir a separação. Cansada da infidelidade constante de Elvis, ela anunciou ao marido que estava o deixando. Recentemente, no programa inglês "The Nations Favourite Elvis Songs", Priscilla declarou que Elvis dedicou a música a ela, logo após a separação, quando estavam na casa do pai de Elvis, Vernon Presley. "É uma canção muito pessoal pra mim, pois na verdade Elvis me deu a canção, na casa de seu pai. Eu nunca reparti isso com o público", declarou ela.



Daniel é um single do álbum "Don't Shoot Me I'm Only the Piano Player" escrito e gravado no ano de 1973 pelo Cantor Britânico Sir. Elton John

Sir Elton Hercules John, nascido Reginald Kenneth Dwight (Londres, 25 de março de 1947), é um pianista, cantor, compositor e produtor Britânico. Tem o letrista Bernie Taupin como parceiro de composições desde 1967, com mais de trinta álbuns produzidos juntos. Em sua carreira de cinco décadas, Elton John já vendeu mais de 300 milhões de discos, tornando-o um dos músicos de maior sucesso no mundo.