21 setembro 2013

Um Cigarro - Edwin Morgan

Edwin Morgan

Um Cigarro

Não há fumo sem ti, meu fogo.
Depois de teres partido,
O teu cigarro cresceu no meu cinzeiro
E enviou uma linha de uma cinza muito calma.

E sorri a quem iria acreditar no seu sinal
De tanto amor. Um cigarro
No cinzeiro do não-fumador
Enquanto a última espiral
Estremece, uma pequena corrente de ar
Sopra o seu caminho no meu rosto.

É cheiro, é gosto?
Tu estás aqui de novo,
E eu estou bêbado no teus
Lábios de tabaco
Fora com a luz.

Deixa o fumo esconder-se no escuro
Até eu ouvir a mesma cinza
Suspirar entre as flores de bronze
Respirarei, após a meia-noite, o teu último beijo.

(tradução inédita de Pedro Calouste)

Poeta Escocês

Falar de Edwin Morgan (Glasgow, Escócia, 27 de Abril de 1920 - 19 de Agosto de 2010) remete-me para a ironia da liberdade de sonhar, a ânsia de transpor a fronteira entre realidade e ficção, ainda que a segunda aqui seja vista como densificação da primeira. Os poemas deste escocês levam-me pois a esse universo onírico, mesmo que camuflado por alguma aparente casualidade – o sonho que se assemelha à realidade, como um meio a fim de a mudar.
(Texto: Sylvia Beirute)