30 agosto 2014

Bico de Lacre - Poema de Marcelo H. Zacarelli


Bico de Lacre

Tu és uma fêmea arisca
Tua boca vermelha e viva
Incendeiam meus lábios que abdica
A morte, por que não a vida;

Tu és pequena toda vida
Franzina, exibida
De canto doído, sofrido
Cativeiro de saudade, amor desiludido;

Te amo em abril
Quando acasalas, meu corpo febril
Te amo também em maio
Quando se faz necessário;

Mas este tom da tua boca
Já não é pro meu bico
Fruta de pecado, carne louca
Bico de Lacre, amor de improviso.

"Homenagem à Fernanda Villarim Zacarelli"

Marcelo Henrique Zacarelli
30 de Agosto de 2014

Mas este tom da tua boca
Já não é pro meu bico...