20 agosto 2013

Epitáfio II - Poemas de Marcelo H. Zacarelli

Foto: Sebastião Salgado

Epitáfio II

A velha campa escassa, úmida de pouca pintura,
guardava um segredo em seu útero sombrio.
Um epitáfio de poesia surrealista,
a alma de um poeta que ali jazia...
O duro inverno a congelava,
mais da alma e menos do corpo que não mais existia.

Paro em frente e testemunho um silêncio que é só meu,
absurdo mas propício para o dia.
Tento entender a minha subsistência,
o meu eu que ali se tornou esquecimento,
lágrimas não me trarão a sínica heresia.

Nem um sorriso sincero de uma boca desprovida,
quantos sóis e jardins verdes, Menos vida.
Tento me afastar daquilo que me restou,
da metamorfose que me é cabida;
Levo comigo o ódio que me tornou,
e o amor em epitáfio como poesia.


Marcelo Henrique Zacarelli
Village, Março de 2012 no dia 15

Foto: Sebastião Salgado