27 outubro 2013

Casta Gueixa - Poema de Marcelo H. Zacarelli


Casta Gueixa

Toquei os lábios de uma Gueixa
O gosto do primeiro amor...
A língua cala o coração se queixa
E sangra na mordida do sabor.

Aos quase dezesseis desta minha existência
Afligiu-me por pura casualidade;
Da carne arrancada, perdeu-se a inocência
Fruto este seu dá nua sensualidade.

Neste meu pecado e duro
Abriu-se os olhos; Não como antes...
No seu vermelho intenso, maduro
Provou aquela que hoje tens por amante.

Na efêmera castidade que perdi
Ainda não deixei de ser menina;
O mel do néctar, desperdiçado no sorrir
Mesma fruta, mesma carne; Aparente feminina.

Uma cereja em chamas, insaciável paixão
Perfurada na carne, não perde o apetite;
Uma vez consumada, dá-se à, fornicação
A cereja mordida de uma Gueixa virgem.

Marcelo Zacarelli
Rua Bela Cintra (SP) Setembro de 2013, dia 20