27 outubro 2013

O Canto das Cigarras - Poema de Marcelo H. Zacarelli


O Canto das Cigarras

Sinto no ar um cheiro de solidão
O orvalho feito lágrima dissimulado
Asas que caem, folhas de carvalho
Palpitam na palma das mãos.

A saudade pode ser um sarro
Nítido de melancolia
Ruivas que caem na folia
Atoladas num vaso de barro.

Toda forma de desejo é um poço
Subitamente infinito...
Quando todo sorriso é bem vindo
Atrelado a tristeza do corpo.

Lá dentro as almas fazem algazarra
Compondo as marras nos vossos vícios
Zoando nos cantos entristecidos
Regem o canto as pobres cigarras.

Marcelo Zacarelli
Rua Bela Cintra (SP) Setembro de 2013, dia 20