16 novembro 2013

Sarcófago Rompido - Poema de Marcelo H. Zacarelli


Sarcófago Rompido

Espera romper o silêncio maldito de uma tarde de domingo
Onde possa se ouvir o ruído de uma lágrima
Espera-se que as folhas rastejem ao chão
Que a marcha das formigas continuem
Que as entranhas da terra gesticulem
Que os horrores dos sepulcros desconfiem.

Olhar ao seu redor e olhares estranhos vos cumprimenta
As orações evocam desespero em calmarias
Alguém chegou primeiro e já te espera por hora
E quer te conhecer por vezes
A urna te fixa e te mede
O tempo lhe parece mais curto que te imagina.

Uma noite era pra ser uma noite e um dia que nunca termina
Empresta teus ouvidos aos clamores
O som perceptível da labuta dos tremores
Teu odor ao terrível cheiro das flores
Não te despeça de um amigo que contigo ceava em vida 
Quando a discórdia vos uniu em outras pelejas
A fatídica vida vos distraiu por um momento.

Sinto estar chegando a hora
O sino que retina congela a alma
A sombria tumba reclama seus mortos
Outras sem vida reclamam sua vez
O coração é um sarcófago rompido
 Hora pela vida que desfaz
Hora por uma mulher que não o quer mais.


Marcelo Henrique Zacarelli
São Paulo, Janeiro de 2011 no dia 07

Alguém chegou primeiro e já te espera por hora
E quer te conhecer por vezes...