28 dezembro 2013

Perdão - Bárbara Melo

Art Pablo Jeffer da Silva

Perdão

Pediste, perdoa-me!
Disseste não me odeie. 
Imploraste, não me esqueça! 
Revelaste, ainda me amar.

E agora? Se não há mais jeito?
Se este amor já definhou, 
morreu, murchou...

Respondo-lhe agora
não o odeio, te perdoo 
mas esqueci, acabou!

(Bárbara Melo)


"Com alma de poeta, sentimentos de mulher, busco significado em tudo aquilo que existe. Faço de meus versos e rabiscos, a mais pura forma de expressão dos meus sentimentos, revelando em sensibilidades a mais pura essência da alma. Longe da literatura perfeita estão meus versos e rascunhos, neles existem apenas sentimentos." ___-Bárbara Melo.