01 março 2014

Uma só Alma - Poema de Christine Aldo

A Arte pelas mãos de: Talita Carmona

Uma só Alma

Vento que passa
Assanha meus cabelos
Leva consigo todos pensamentos...

Sinto na pele o cheiro do nosso pecado
Impregnados estão
Não pude me livrá-los

Ando meia que sem destino
Na contramão da saudade
Ouço ao longe a tua voz
A desvirtuar as minhas passadas
Logo perco a paz
Não sei mais distinguir
O real da ilusão
Utopia da minha imaginação

Me ponho a pensar nas perdas e danos
Que causaram o nosso relacionamento
Eu e você crucificadas juntas
No madeiro social
Vítimas de uma sociedade conturbada

Estamos presas no calabouço
Calamitoso das incertezas
Acorrentadas a sete chaves
No preconceito absurdo

Desça agora o vitupério da imoralidade
Despi a tua alma e lança a tua sorte
Mediante ao jugo dos repugnantes
Estamos nua, eu e você
E sangramos na nossa carne
Esfaceladas pelos escarnecedores
Açoitadas por olhares deturpados

Venha até mim agora
Juntemos uma só carne, uma só vontade
Deixemos o próprio amor nos matar

Todo suor transformar-se em lágrimas
Toda lágrima transformar-se em sangue
Ainda assim resistiremos

Quando destruírem a nossa carne
Toda a reputação exacerbada
Então não poderão discernir
Quem sou eu, quem é você;
Porque a cegueira do preconceito
Não pode enxergar a beleza da alma

Somos uma só alma
E nascemos para morrermos juntas
Quando te olharem no espelho do preconceito
Todos verão o reflexo do meu rosto
Te amando sem limites e sem precedentes
Façamos-o agora!
Para confundir os ignorantes.

"Inspirado em Paloma Cristina Zacarelli"

Christine Aldo
28 de Fevereiro de 2014

Então não poderão discernir
Quem sou eu, quem é você...

Arte Pintada pela amiga: Talita Carmona