29 maio 2015

Aço da Saudade - Poema de Marcelo H. Zacarelli


Aço da Saudade

Lamina cega que ao pulso cerra
O frio do teu metal confronta-lhe a face
Que ocultas sinais e tremores

O teu golpe que do frio sangue jorra
Esvaziar se faz em copos rasos
Um sorriso disperso e atento

Inquieto espera o desferir
Não mais que o tempo o machuca
O aço da saudade que penetra
                             
Sóbrio o corpo empilha na vala
A guia o toma como morto
Da bebida que exala pela entranha

Usurpar se faz na insensatez
Á cólera que teu rosto assola
A solidão que dispersa em pensamento

Entorpecido arremessa teus olhos ao céu
Do arrependido Deus que lhe oculta à face
Torto mendigo de esfacelados pecados

Se o inverno que à tarde trás e o congela
A lápide envelhecida em negrito o traga
Amarga e cala a voz que por vez
Outrora não só a matéria que desfaz
A maldita saudade como homem carregou.

Marcelo Henrique Zacarelli
Arujá, 01 de Abril de 2008


Sóbrio o corpo empilha na vala
A guia o toma como morto...