15 janeiro 2016

Não Sei por que, mas te amo - Poema de Marcelo H. Zacarelli


Não sei por que, mas te amo

Despede de mim minhalma
Como folha bailarina sobre o vento
Foge de mim pensamento
Sem lugar pra repousar;

O meu peito fincado trás cansaço
Pelo meu suor derrotado
Na cela do meu subconsciente
Está preso meu amor
Se chorar baixinho
Mal podes ouvir-me a dor;

Queira-me bem
Pelo miserável que sou
Se me falta o amor
Não é dentro de mim
Mais o amor a mim
Já não o quer mais...
E a solidão é implacável
Incansável me detém
E por falsas ilusões me convence;

O torto homem que sou
Equilibra-se pelo fio da vida
E a cada tombo
Que a saudade me deu
Retribuo com um sorriso;

No meu ressecado lábio
Saltou uma voz
Estridente que me diz
Amo-te, amo-te...
Não sei por quê
Mas te amo.

Marcelo Henrique Zacarelli
Village, 24 de julho de 2008

Na cela do meu subconsciente
Está preso meu amor...