18 agosto 2013

Epitáfio - Poemas de Marcelo H. Zacarelli

Foto: Sebastião Salgado

Epitáfio

Sombria e fria é a campa de dia,
que ufana da matéria que esconde;
Faz soar o Timbre horrendo do credo,
urdir contra a malícia tirana da morte.

Os corvos famintos rodeiam as urnas,
sobre o cimento gelado escorrem-se os lodos;
Era um moço de família muito rica,
e tudo quanto lhe havia constituído vira mofo.

Sobre custódia a gaveta ume preencheu,
e o sol embriagado sobre o átrio esmaeceu;
Houve-se uma silente de perjuros evasivos,
quando cai noite de nefasto improviso.

Ao pé da sepultura fenecem as rosas,
e a maldita cúpula da missa lhe tira a culpa;
Sobre um epitáfio um diabo vira santo,
ao exumar os ossos de um pobre miserável.



Marcelo Henrique Zacarelli
Village, Setembro de 2012 no dia 21

Foto: Sebastião Salgado