23 novembro 2013

Utopia da minha Vaidade - Poema de Marcelo H. Zacarelli


Utopia da minha Vaidade

Tem dias que tenho vontade de correr na chuva
Tropeçar com as pernas do meu coração
Cair de peito em uma poça d’água

Tem dias em que me sinto o lodo da lama
Vejo a vida escorrer por entre os dedos
À tarde de uma primavera ceifar meus pensamentos...

Tenho por mim que o sol há de enxugar uma lágrima
Pois a maioria delas desceram pelas enxurradas
A maquiagem da saudade se desfez em solidão

O tom laranja do céu faz da tarde quase uma emboscada
A vida me lançou em rapel, a morte me esperou na topada...
Nem a um, nem a outro; Por ora não me faz falta

O tempo estia e seca a nudez dos meus olhos
Suborna o suor da longínqua estrada...
Estou perdido e que ninguém me encontre; 
Utopia desta minha vaidade

Tem dias que quero a noite só pra mim
Escura, deprimida, repleta de solidão...
No calabouço obstinado da minha repugnância

Tem dias que morro no amanhecer de um dia
Mas a chuva cai e levam as rugas do meu rosto
Sou jovem demais para renunciar a vida.


Marcelo Henrique Zacarelli
São Paulo, Março de 2013 no dia 01
(Bairro do Tucuruvi)

Vejo a vida escorrer por entre os dedos...