01 dezembro 2013

Um de Nós tem que Ceder - Poema de Christine Aldo


Um de Nós tem que Ceder

É bem verdade que tivemos um desentendimento
Mas nem por isso eu deixei de te amar
O céu acordou nublado em um cinza atordoante
Nem por isso eu deixei de ver o mar
Talvez eu volte para te pedir perdão
Talvez eu não resista à solidão
Quero olhar o sol nos olhos e pedir o teu calor
E duvidar que às vezes por você (O que sinto é amor)

Estou confusa por palavras que dissemos
Você bem que podia me acalmar
As relevâncias sombrias de libertinagens
Às vezes vacilo às vezes saudades...
Eu me daria por vencida caso o mar esvaziasse
E transbordasse as minhas indignações
Mas por você eu faço tudo
Engano até meu coração

Terei mais uma noite para me arrepender
Talvez eu procure você
A matemática simples do amor nos propõe
Um de nós tem que ceder...
O sol definitivamente me virou as costas
E o mar por meretrizes me embriagar
Por tudo isso nós fizemos as pazes
E não vemos a hora de novamente brigar.


Christine Aldo 
Village, Setembro de 2011 no dia 16

Você bem que podia me acalmar
As relevâncias sombrias de libertinagens...