01 dezembro 2013

Eu Acabo de Matar um Amor - Poema de Christine Aldo


Eu Acabo de Matar um Amor

Eu tento juntar os pedaços que ainda me restam
Juntar as lágrimas que há muito saltaram
Tentar me reerguer, e ver a minha face como antes
Quando o amor ainda resistia...

Eu tento juntar os cacos do que ainda sou
Esquecer o que tenha passado e quem sabe sorrir
Ignorar o que passa em minha mente
Apenas olhar para frente, enfrentar a minha dor

Eu acabo de matar um amor
Ele estava doente dentro de mim
Sinto que agora estou livre
Ele jamais poderá me condenar
Foi uma decisão difícil
Em que minha alma relutou
Eu acabo de matar um amor
Talvez ele não volte nunca mais

Talvez se eu pudesse nunca mais existir
Ao olhar para trás e deixar jogados estes meus pedaços
A saudade não poderia mais zombar de mim
Eu simplesmente não mais existiria...

Todas as lembranças que por dentro me machucava
Elas se desfizeram, pois eu acreditava ser possível
Talvez eu seja mesmo sensível a estas dores
Talvez eu tenha aprendido a conviver comigo

Eu acabo de matar um amor
Ele estava doente dentro de mim
Sinto que agora estou livre
Ele jamais poderá me condenar
Foi uma decisão difícil
Em que minha alma relutou
Eu acabo de matar um amor
Talvez ele não volte nunca mais.


Christine Aldo 
Village, Setembro de 2011 no dia 17

Sinto que agora estou livre
Ele jamais poderá me condenar...