12 janeiro 2014

Coração de Papel - Poema de Marcelo H. Zacarelli


Coração de Papel

Cai chuva; Os teus pingos não mais me intimidam
Eles apenas se misturam com as lágrimas do meu rosto
Fazem de mim bem maior o meu pranto
Um rio de lágrimas eu vi pelo chão
E lá estava o meu pensamento navegando
Feito um barco sem rumo em volta do tempo;
Minha dor tornou-se tripulante deste barco sem destino
Então corremos mar a fora em busca do teu amor
O céu era azul; Mas não era doce como céu da tua boca
O mar se mostrava salgado, amargo como o sal de uma lágrima

Eu fiquei perdido no tempo, preso nas minhas indecisões
A bússola da saudade, apontava por caminhos inexistentes
Meu coração feito um barco de papel, encalhado sobre as rochas
Esperando pelo vento que soprasse em terra firme;
Onde você se escondeu? Eu preciso sentir o teu calor
Por que tomastes outro rumo, levando consigo parte de mim

Depois de uma noite comprida, ajustei as velas
Meu corpo cansado, quem dera fosse de metal pesado
Naufragaria todos os meus sentimentos, não pesar-me-ia a dor
Mas eis que, meu coração é feito de papel
Esquadrinhei-o em forma de um barco
E coloquei-o a navegar pelos mares da ilusão
Na esperança de encontrar o porto das tuas mãos
Ao desfazer-se um bilhete contido uma escrita
Simplesmente te amo.

Marcelo Henrique Zacarelli
Itaquaquecetuba, 03 de Fevereiro de 1991

Mas eis que, meu coração é feito de papel
Esquadrinhei-o em forma de um barco...