22 julho 2014

Biutiful - Filme

Biutiful recebeu 2 Indicações ao Oscar

Biutiful é um filme mexicano dramático de 2010, realizado por Alejandro González Iñárritu, com Javier Bardem no papel principal.

Maricel e Bardem contracenam em "Biutiful"

Sinopse: Uxbal coordena vários negócios ilícitos em Barcelona. Além disto, ele possui um dom de falar com os mortos e usa esta habilidade para extorquir as pessoas. Uxbal precisa conciliar sua agitada vida com o papel de pai de dois filhos, já que a mãe deles, Marambra, é instável. Até que, após sentir fortes dores por semanas, ele resolve ir ao hospital. Lá descobre que está com câncer e que tem poucos meses de vida.

Bardem recebeu o Palma de Ouro
interpretando Uxbal...

Biutiful é sobre a morte. Morte coletiva, solitária, por doença, velhice, acidente, assassinato…  Sobre a morte dos relacionamentos, o sofrimento de se sentir outsider em uma terra que não é sua e longe de quem se ama, ou daquele que tem qualquer tipo de sofrimento mental. Há a imagem de pessoas mortas, mas o filme também tem uma estética esquisita, de ambientes sujos, empoeirados, úmidos, melados. É tudo grudento, e um pouco repulsivo, sem ser escatológico.

Iñárritu, que não sei se é espírita, nos apresenta Uxbal – (Javier Bardem), em excepcional atuação –, um homem que ajuda os mortos a morrerem em paz, como em Sexto sentido: quem morreu precisa confessar para se livrar de um peso e viver uma “outra” vida. Ele é, o que parece, recém divorciado e tem a guarda de dois filhos fofos – a ex-mulher, Marambra (Maricel Álvarez), é bipolar e promíscua. Uxbal trabalha com a morte, tira o sofrimento dos mortos, mas passa a lidar com tragédias próprias, todas ligadas… à morte.  Isso inclui um câncer de próstata em fase avançada, e a sua dor em ter que se despedir dessa vida, e dos filhos.

O que é a morte? Para onde ela leva? Quais são as palavras que aquele que se foi gostaria de ter dito? Isso alivia sua passagem? Existe essa passagem? Tais questionamentos vêm à mente até de pessoas céticas a desprovidas de crenças religiosas como eu.

Cena do Longa Biutiful

Iñárritu junta todas essas questões, muito subjetivas, a elementos da vida em uma cidade grande, como Barcelona. E de uma maneira muito pragmática e natural, fazendo com que elas apareçam sem descambar para um roteiro de filme além-vida ou de temática espírita. Entram na trama o trabalho escravo, imigrantes ilegais chineses e senegaleses, a corrupção policial e a produção e comércio de produtos falsificados. O filme tem tantos elementos que transcorrer mais sobre o enredo seria perda de tempo.

Biutiful não é de chorar. É de arrepiar, de dar nó na garganta, de fazer o coração bater mais rápido, quase que numa taquicardia. O filme é como um soco no estômago: primeiro você sente a dor e fica sem ar, depois chora. Aconteceu assim, comigo. Talvez porque eu seja profundamente sensível à morte. Não que eu tenha medo dela, mas de quem ela possa me levar.

Laura Lopes (Revista Época) 

O Cineasta Inárritu 

Alejandro González Iñárritu (Cidade do México, 15 de Agosto de 1963) é um cineasta mexicano. Juntamente com o roteirista Guillermo Arriaga, produziu 11 curtas nos quais pretendia mostrar as contradições que oculta a Cidade do México. Depois de três anos e trinta e seis rascunhos, acabaram unindo três dessas histórias em um longa-metragem: Amores perros. Esse filme foi indicado ao Oscar como Melhor Filme Estrangeiro e obteve vários prêmios em festivais internacionais, destacando-se o prêmio de Melhor Filme na Semaine de la Critique do Festival de Cannes.

Em 2002, dirigiu um projeto cinematográfico a fim de narrar os atentados no World Trade Center em Nova York, 11'09'01 Onze de Setembro, que contou com a participação de Wim Wenders, Ken Loach, Mira Fair, Amos Gitai e Sean Penn. O sucesso de Amores perros levou González aos Estados Unidos para dirigir o filme 21 gramas, para a Universal Pictures. O cargo de roteirista esteve mais uma vez com Guillermo Arriaga e o filme contou com os atores Benício del Toro, Naomi Watts e Sean Penn, que foram indicados ao Oscar por suas atuações. Seguiu-se então o filme, Babel, que constará de quatro histórias ambientadas em Marrocos, Tunísia, México e Japão, lançado em 2006 e que conta com Adriana Barraza, Gael García Bernal, Cate Blanchett, Brad Pitt e Koji Yakusho.


Minha nota para este Filme (9)

Prêmios: